5 de abril de 2006

Em meu corpo tatuarei lembranças
Minha vida eternizada
Em minha pele tão surrada

No peito tatuarei os amigos
Antigos amigos e novos amigos
Sinceros amigos
Nas costas, os meus erros
Para sentir seus pesares
E não mais cometê-los
Os beijos esperados, roubados, apaixonados
Em meus lábios vão ficar
Em minhas pernas, as minhas andanças
Em meu pés, todas as danças
Em minhas coxas ficarão minhas paixões
Em meus ouvidos, as canções
Em meus braços, sabedoria
Em meus dedos, minhas prosas e poesias
Minha família tatuarei em meu sangue
E em meu ventre
Meu grande amor eternizarei
E todos os filhos que terei


(Ana Maria de Abreu)

Um comentário:

neotenia disse...

Minha tatuagens... Indeléveis... Indestrutíveis... Nunca mais sairão de mim... Apagar-se-hão...Jamais!