25 de março de 2009

Mágoa

- Por que não cintilam mais teus olhos?
- São minhas mágoas, repliquei.
- E elas lhe doem tanto assim?
- Sim, e faço-me cárcere dessa dor sem fim.


Pudera eu libertar essa dor
Onde hei buscar consolo?
Se choro é porquê me dói
Ao lembrar-me daquela voz hesitante
Acompanhada confissões dolentes
Enquanto escutava buscava manter-me calma
Doía dentro, em mim
Meu peito se fez ferida
E teu olhar se fez medroso e afoito
Querendo roubar-me qualquer vestígio de esperança
Impossível desvencilhar desse amor
Pudera eu perdoar
Quisera eu esquecer


- Ainda me aborreço e, de tanta fadiga, mal posso dormir.
- Vou respeitar tuas lágrimas e lástimas.
- Receio perder a alegria, respondi hesitante.
Apenas encostou minha cabeça em seu peito e disse:
- Peço-te perdão. Não estou impassível e meu amor por ti é infindável.
Minha voz trêmula fez promessa:
- Prometo tentar, chorei em silêncio.
Pensei em dizer o quanto o amo, mas guardei em mim. Para quando eu acordar desse pesadelo.



(ana maria de abreu siqueira)

5 comentários:

Cris Siqueira disse...

adorei!! bjs

Carlinha Abreu disse...

Que lindo! Triste, mas lindo!

Depois podemos conversar sobre isso! :-)

Claudinha disse...

Concordo com a Carlinha.
Realmente é triste, mas se a gente parar pra pensar...sempre existe uma certa beleza na tristeza.
Adorei!

Karina Marques disse...

doeu em mim quando li...

muito bom.

Lorena disse...

Também já senti isso. Aliás, quem nunca se sentiu assim? Bom, acho que essa pessoa existe. Mas quem nunca sofreu também não amou. E isso me lembrou um versinho de uma música do Vinícius:
"Quem já passou por essa vida e não viveu
pode ser mais, mas sabe menos do que eu
Porque a vida só se dá pra quem se deu,
pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu " (Como Dizia o Poeta)

Seu blog é lindo, viu? Adorei sua visita e vou te carregar para o meu cantinho. =)
beijo.