7 de setembro de 2008

Cá com meus botões


A pedidos, poesia a qual ganhei um dos prêmios do X Prêmio Ideal Clube de Literatura (Poesias) / 2007:

Cá com meus botões


Não me conformo com a mesmice
O marasmo me sufoca
Transbordo pensamentos inusitados
Nunca soube estagná-los
Para não cair em descontentamento
Converso cá com meus botões
Completamente excessiva e insana
Alinho palavras
Em versos desalinhados
Arrematando anseios
Graças Deus sou poeta
Insistente
Sobressalente
Veemente
Florescente
Acredito no improvável
Não enxergo o absurdo
Tenho até bom senso
Mas o escondo de vez em quando
Não quero danificar minha loucura
Nem apagar minhas alucinações
A poesia está sacramentada em mim
Sou diferente de todos
Como todos os poetas


(ana maria de abreu siqueira)

3 comentários:

Ana Cris disse...

poesia premiada q encheu a família d orgulho!!

Victor Canti disse...

a poesia para nós chega ao ponto em que é vital, tão vital quanto a água que bebemos, o ar que respiramos...
Parabéns pelo prêmio, merecido!!

MAURITI - CEARÁ - MEMORIAL disse...

Filho de peixe, peixe é,
Ou de gato é "gatim",
São ditados populares,
Que o povo diz assim,
O meu pai era poeta,
Era tipo repentista,
Eu, não tive essa conquista,
Pois na poesia, só ralo,
Mas, com orgulho eu falo,
Que este dom da poesia,
Para minha alegria,
Ficou com Ana Maria.

Leledo.