21 de março de 2007

O Circo, meu circo...






(homenagem a um palhaço)

Se o circo fosse minha casa
Namoraria o palhaço
Bobo e jocoso
Cheio de piadas
E brincadeiras tolas
Só para me fazer sorrir
Iria roubar-lhe beijos
E com ele voar no picadeiro
Como malabaristas
Sem temer cair


Se o circo fosse minha casa
Soltaria os bichos
Dançaria como se ninguém tivesse vendo
Distribuiria todos os ingressos
Lotaria a arquibancada
Apenas com crianças
E com quem se sentisse assim

O meu palhaço
Também mágico
Tiraria da cartola arco-íris
E faria chover estrelas coloridas

Venderia saquinhos de gargalhadas
Balas de mel
E algodão de nuvens doces


(ana maria de abreu siqueira)




Imagem retirada do site:


6 comentários:

A felicidade é um estado de espirito disse...

te linkei

Sidarta disse...

Pronto!

Ramon de Alencar disse...

...
-Era um lugar que gostaria de visitar...

...
-Que bom, mais palavras...

Anônimo disse...

Então o palhaço não é apenas o trapalhão...
é um ladrão.
Rouba-nos o sorriso,
surpreende a garotada,
enfeitiça a mulherada.

Faz-se de mágico para no final do espetáculo
ser dele a última gargalhada
isso se ela não for casada
e então correr em disparada...

Aninha...
Não resisti ao seu belo poema.
Acabei fazendo minha versão.
Vai desculpando a brincadeira...
Grande abraço Alexandre - IGT

ANINHA! disse...

ALEXANDRE...A brincadeira foi 10!!!!

Será que você é um poeta e ainda não sabe?

Eduardo Trindade disse...

Adorei!
Hummm...
Se o circo fosse minha casa... eu iria querer que todos fossem risonhos como o palhaço.
Abraços, minha amiga-colega!