23 de dezembro de 2006

Era uma vez...


Era uma vez
Uma fada e um anjo
Nunca os conheci
Eles vivem em um conto encantado
Dentro de um livro branco
Que eu leio todos os dias

Eles se desejam
Deveras...
Recitam juras de um amor inacabável
Acredito até inabalável
Imagino que insaciável
Talvez insuperável

A fada, longe do anjo
Espera
Fica a sonhar em seu castelo
E põe-se a poetar
O anjo, longe da fada
Tão doce
Suspira a cada encontro
E desenha poesias para se consolar

Uma entidade fantástica
E um ser espiritual
Traduzindo em versos
A alma e o coração


(ana maria de abreu siqueira)

Ramon e Thalita,
Desculpem-me a invasão de suas vidas!
E obrigada pelas leituras poéticas que me oferecem!
Imagem: http://condizer.blogspot.com/



4 comentários:

Fada disse...

Ain, que lindinha!!!
Não contemos um sorriso largo, ambos.
=D

Muito obrigada pela ternura, muito mesmo.
Beijos!

Fada disse...

E adorei conhecê-la.
=)

Ramon de Alencar disse...

...
-Poesia com poesia se paga...E do mesmo modo que se inspira!
Realmente, ternura de se marcar...
Obg...

Sidarta disse...

A poesia precisa voltar aqui... Os fãs sentem sua falta. Desejam-na!